domingo, 18 de março de 2012

REFLEXÕES ESPÍRITAS: A porta Estreira


Capítulo 18 de "O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO", de Allan Kardec – Muitos os chamados e poucos os escolhidos – itens 3 a 5 - A PORTA ESTREITA.

Ensinou Jesus: Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que leva à perdição, e muitos são os que entram por ela. Que estreita é a porta, e que apertado o caminho que leva para a vida, e quão poucos são os que acertam com ela! (Mateus, 7:13-14).

Estudando o ensinamento de Jesus, Allan Kardec afirma: “A porta da perdição é larga, porque as más paixões são numerosas e o caminho do mal é o mais frequentado. A da salvação é estreita porque o homem que deseja transpô-la deve fazer grandes esforços para vencer as suas más tendências, e poucos se resignam a isso”.

Para entender bem essas afirmativas, é preciso deixar bem claro para nós o que vem a ser SALVAÇÃO segundo o contexto evangélico.

Os Dicionários nos ensinam que SALVAÇÃO é: ação ou efeito de salvar(-se), de libertar(-se), pessoa ou coisa que salva (de perigo, situação difícil etc.)... 

A definição que me pareceu mais apropriada foi a do Dicionário Houaiss:  passagem de uma situação difícil para outra confortável; redenção, resgate, remissão; triunfo, vitória, independência.

Para o Espiritismo SALVAÇÃO ganha um significado mais amplo do que a “Felicidade eterna após a morte”, pois para a Doutrina Espírita não existe a condição de PERDIÇÃO, pois que DEUS de Misericórdia e Justiça infinitas sempre concede à criatura que erra, condição de “reencontrar-se” no caminho do bem.

Salvar-se seria literalmente, furtar-se de um perigo. Que perigos seriam esses de que Jesus se ocupa a fim de nos ajudar a sermos felizes?

 Os grandes perigos que existem e que são, genuinamente, ameaças para a nossa FELICIDADE não estão situados no mundo externo, que por vezes nos parece tão perigoso e hostil, e sim em NOSSO MUNDO ÍNTIMO.

Essas ameaças à nossa FELICIDADE PLENA são as nossas imperfeições morais, as nossas más tendências, frutos de viciações morais e comportamentos inadequados que fomos repetindo vidas após vidas, cristalizando nosso espírito na condição de “infrator da Lei de Deus”.

Romper com essas más tendências é exatamente a passagem pela “porta estreita” de que nos fala o Evangelho, pois, acostumados no erro, acomodados à zona de conforto do comportamento conhecido é sempre um desafio para alma a ATITUDE DE MUDAR.

Quem venceu um vício como drogas, álcool ou tabaco sabe bem a grande luta que se combate para vencer um inimigo que nós mesmos criamos dentro de nós com nossas escolhas.

Mudar é sempre angustiante. Cobiçamos a condição melhor de nos livrar do mau comportamento, mas o medo do desconhecido, a abstinência daquilo a que nos acostumamos, o preço da libertação de todas as compensações físicas e psicológicas a que nos habituamos com o erro... Tudo isso são fatores que agravam o desafio de MUDAR.

Se fraquejarmos, relaxamos com nossa autoeducação e caminhamos conforme de costume, para a porta larga das viciações, da acomodação e da repetição dos mesmos equívocos que – já o sabemos – nos farão chorar e sofrer depois.

Como já dissemos em outras oportunidades DEFINITIVAMENTE, CHEGA DE SOFRER! Esse negócio de “aqui se faz aqui se paga” já deu o que tinha que dar! Já estamos de posse de conhecimentos espirituais LIBERTADORES e não se justifica mais aprender com o SOFRIMENTO e a DOR.

É hora de progredirmos com a INTELIGÊNCIA, a razão, o bom senso. Porque continuar com ATITUDES que sabemos que mais adiante vão me fazer sofrer? Isso se chama IGNORÃNCIA.

É o velho hábito da FEIJOADA ASSASSINA! Você já sabe o mal estar que vai sentir na hora da digestão... Os desarranjos gástricos, a preguiça e a sonolência das toxinas do alimento, aquela sensação de O QUE FOI QUE EU FIZ? Mas ainda assim, passamos reto no balcão de salada e nos rendemos ao PRAZER IMEDIATO da suculenta FEIJOADA.

Assim também é com nossos VÍCIOS MORAIS... Já os conhecemos, a eles e às suas malditas consequências... Mesmo assim sucumbimos à TENTAÇÃO do prazer imediato, da compensação psicológica. E repetimos a mesma ATITUDE ASSASSINA da nossa Paz Interior. Isso tem o nome de AUTOCORRUPÇÃO!

Você já sabe o que é bom e faz bem. Você já sabe o que é ruim e faz mal. Mas AUTOSABOTA a sua felicidade caindo de novo na ilusão de errar para ganhar. Auto sabotagem é o mesmo que jogar a polpa doce e nutritiva da fruta fora e comer a casca e os caroços.

Romper com a cadeia do erro cobra da criatura um grande esforço. Mas o Espiritismo com sua finalidade nobre de facilitar o PROGRESSO DA HUMANIDADE nos informa quis os meios que podemos usar para essa vitória sobre as nossas próprias iniquidades.

A primeira ferramenta que o ESPIRITISMO recomenda é a oração. Com a oração, que é a nossa ligação mental, sincera e fervorosa com nosso Pai Celestial, fazemos uma verdadeira faxina psíquica e nos ligamos ás forças espirituais do bem, dispostas a nos fortalecer a vontade e a intrepidez.

Orar, é um hábito simples. Não há para a oração local mais apropriado ou menos apropriado. Nem horário nem condição. A criatura pode elevar seu pensamento a DEUS em qualquer hora e lugar, sob qualquer circunstância e entregar-se aos amorosos cuidados da Providência Divina, sempre solicita em nos cumular com as bênçãos das forças espirituais.

A prece ou oração tem como requisito “patir de um coração sincero”. Devemos apresentar nossos medos e anseios, desejos e esperanças a DEUS com sinceridade de coração. A DEUS NINGUÉM ENGANA. Apresentemo-nos mentalmente ao PAI sem escamotear nossas mazelas que ELE com toda certeza deseja nos ajudar a vencer.

Outra condição é que a oração seja INTELIGÍVEL ou seja, que seja compreensível primeiramente para nós, como um COMUNICAÇÃO, a oração deve ser uma mensagem simples e objetiva, dispensemos as orações decoradas e textos prontos. Deixemos o coração e a mente falar de nossos próprios sentimentos a Deus.

A segunda ferramenta que o ESPIRITISMO apresenta para nossa evolução é o AUTOCONHECIMENTO. No Espiritismo chamamos esse processo de REFORMA ÍNTIMA e se constitui na autoanálise diária, sem medo de nos enfrentarmos e nos conhecermos. Avaliamos nossas ações e atitudes e buscamos enumerar nossos equívocos.
Conhecendo suas faltas, fica mais fácil ao Espírito educar-se. Partir para a reparação dos erros e evitar cometer os mesmos equívocos em oportunidades semelhantes.

Encontramos na questão número 919 de O LIVRO DOS ESPÍRITOS de Allan Kardec uma esclarecedora resposta dos Espíritos: Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal? –  “Um sábio da antiguidade vos disse: Conhece-te a ti mesmo.”

Continua ensinando nessa questão, o Espírito de Santo Agostinho de Hipona: “Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar.

E complementa: “Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por outrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar”.

Os benefícios do autoconhecimento são inúmeros, mas o principal dele é a LIBERTAÇÃO do peso de nossas imperfeições e a POSSE DE SI MESMO tornando-nos criaturas conscientes de nossas falhas e de nossas potencialidades.

AUTOCONHECENDO-SE a criatura pode conceber um PLANO DE AÇÃO EXISTENCIAL e partir para a ampliação das virtudes que já possui e cujo exercício a fortalece e educar-se segundo suas expectativas de felicidade, suas capacidades e tendências mais nobres.

A mais nobre e eficaz ferramenta que o ESPIRITISMO oferece-nos como potencializadora de nossa FELICIDADE é no entanto aquela legenda que constitui a sua diretriz máxima: FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO.

Entendendo a CARIDADE como o AMOR EM AÇÃO, o Espiritismo compreende que a sua prática em todas as dimensões de nossa vida, constitui exatamente o cumprimento da proposta educativa do Cristo Jesus que nos recomendou AMAR incondicionalmente todos ao nosso redor.

Com a prática do AMOR nossas virtudes se dinamizam, robustecem e NATURALMENTE vão vencendo uma a uma as nossas imperfeições morais, estabelecendo um novo patamar de comportamento e ação: o daqueles que evoluem porque amam, amam porque são inteligentes, são inteligentes porque querem ser FELIZES!

Alimentando a esperança e o otimismo, o buscador da VERDADE encontra alegria de viver. Vence suas imperfeições. Supera as vicissitudes comuns da vida cotidiana e ganha outros valores que não a satisfação imediata dos sentidos e das ilusões, optando pelos bens IMPERECÍVEIS DA ALMA que são a finalidade última da nossa existência.

Passar pela PORTA ESTREITA não é fácil. Mas quem de nós aqui acha que ser feliz é fácil? Que sabor teria a felicidade de fosse coisa corriqueira que não cobrasse esforços e luta para ser obtida?

A alma humana adora desafios! Ama aventuras! Aventuremo-nos! Aceitemos o convite para o AUTOCONHECIMENTO e vamos caminhar decididos no rumo da FELICIDADE. Nos encontraremos na reta de chegada, uma vez que TODOS FOMOS CRIADOS POR DEUS PARA SERMOS FELIZES.... Adiar o começo dessa jornada pra que?



Um comentário:

  1. ooi querido Dezinho
    muito difícil entrar pela porta certa mesmo
    pq as paixões e vícios são muito atrativos
    mas é preciso coragem para fazer uma auto-análise e responder se realmente precisamos dessas delícias terrenas e os motivos. assim vislumbrando nosso real propósito nesta vida terrena logo teremos de novo reencontrado o verdadeiro caminho que é a porta que nos conduzirá a Deus.
    bjo meu lindo amigo
    lidia45

    ResponderExcluir