segunda-feira, 16 de abril de 2012

REFLEXÕES ESPÍRITAS: ANENCEFALIA: Joanna de Ângelis, FEB, e os esforços de cada um na defesa do direito à VIDA

ANENCEFALIA
Joanna de Angelis
Médium: Divaldo P. Franco
Nada no Universo ocorre como fenômeno caótico, resultado de alguma desordem que nele predomine. O que parece casual, destrutivo, é sempre efeito de uma programação transcendente, que objetiva a ordem, a harmonia.
De igual maneira, nos destinos humanos sempre vige a Lei de Causa e Efeito, como responsável legítima por todas as ocorrências, por mais diversificadas apresentem-se.
O Espírito progride através das experiências que lhe facultam desenvolver o conhecimento intelectual enquanto lapida as impurezas morais primitivas, transformando-as em emoções relevantes e libertadoras.
Agindo sob o impacto das tendências que nele jazem, fruto que são de vivências anteriores, elabora, inconscientemente, o programa a que se deve submeter na sucessão do tempo futuro.
Harmonia emocional, equilíbrio mental, saúde orgânica ou o seu inverso, em forma de transtornos de vária denominação, fazem-se ocorrência natural dessa elaborada e transata proposta evolutiva.
Todos experimentam, inevitavelmente, as consequências dos seus pensamentos, que são responsáveis pelas suas manifestações verbais e realizações exteriores.
Sentindo, intimamente, a presença de Deus, a convivência social e as imposições educacionais, criam condicionamentos que, infelizmente, em incontáveis indivíduos dão lugar às dúvidas atrozes em torno da sua origem espiritual, da sua imortalidade.
Mesmo quando se vincula a alguma doutrina religiosa, com as exceções compreensíveis, o comportamento moral permanece materialista, utilitarista, atado às paixões defluentes do egotismo.
Não fosse assim, e decerto, muitos benefícios adviriam da convicção espiritual, que sempre define as condutas saudáveis, por constituírem motivos de elevação, defluentes do dever e da razão.
Na falta desse equilíbrio, adota-se atitude de rebeldia, quando não se encontra satisfeito com a sucessão dos acontecimentos tidos como frustrantes, perturbadores, infelizes...
Desequipado de conteúdos superiores que proporcionam a autoconfiança, o otimismo, a esperança, essa revolta, estimulada pelo primarismo que ainda jaz no ser, trabalhando em favor do egoísmo, sempre transfere a responsabilidade dos sofrimentos, dos insucessos momentâneos aos outros, às circunstâncias ditas aziagas, que consideram injustas e, dominados pelo desespero fogem através de mecanismos derrotistas e infelizes que mais o degrada, entre os quais o nefando suicídio.
Na imensa gama de instrumentos utilizados para o autocídio, o que é praticado por armas de fogo ou mediante quedas espetaculares de edifícios, de abismos, desarticula o cérebro físico e praticamente o aniquila...
Não ficariam aí, porém, os danos perpetrados, alcançando os delicados tecidos do corpo perispiritual, que se encarregará de compor os futuros aparelhos materiais para o prosseguimento da jornada de evolução.
                           * * * * * *
É inevitável o renascimento daquele que assim buscou a extinção da vida, portando degenerescências físicas e mentais, particularmente a anencefalia.
Muitos desses assim considerados, no entanto, não são totalmente destituídos do órgão cerebral.
Há, desse modo, anencéfalos e anencéfalos.
Expressivo número de anencéfalos preserva o cérebro primitivo ou reptiliano, o diencéfalo e as raízes do núcleo neural que se vincula ao sistema nervoso central…
Necessitam viver no corpo, mesmo que a fatalidade da morte após o renascimento, reconduza-os ao mundo espiritual.
Interromper-lhes o desenvolvimento no útero materno é crime hediondo em relação à vida. Têm vida sim, embora em padrões diferentes dos considerados normais pelo conhecimento genético atual...
Não se tratam de coisas conduzidas interiormente pela mulher, mas de filhos, que não puderam concluir a formação orgânica total, pois que são resultado da concepção, da união do espermatozoide com o óvulo.
Faltou na gestante o ácido fólico, que se tornou responsável pela ocorrência terrível.
Sucede, porém, que a genitora igualmente não é vítima de injustiça divina ou da espúria Lei do Acaso, pois que foi corresponsável pelo suicídio daquele Espírito que agora a busca para juntos conseguirem o inadiável processo de reparação do crime, de recuperação da paz e do equilíbrio antes destruído.
Quando as legislações desvairam e descriminam o aborto do anencéfalo, facilitando a sua aplicação, a sociedade caminha, a passos largos, para a legitimação de todas as formas cruéis de abortamento.
... E quando a humanidade mata o feto, prepara-se para outros hediondos crimes que a cultura, a ética e a civilização já deveriam haver eliminado no vasto processo de crescimento intelecto-moral.
Todos os recentes governos ditatoriais e arbitrários iniciaram as suas dominações extravagantes e terríveis, tornando o aborto legal e culminando, na sucessão do tempo, com os campos de extermínio de vidas sob o açodar dos mórbidos preconceitos de raça, de etnia, de religião, de política, de sociedade...
A morbidez atinge, desse modo, o clímax, quando a vida é desvalorizada e o ser humano torna-se descartável.
As loucuras eugênicas, em busca de seres humanos perfeitos, respondem por crueldades inimagináveis, desde as crianças que eram assassinadas quando nasciam com qualquer tipo de imperfeição, não servindo para as guerras, na cultura espartana, como as que ainda são atiradas aos rios, por portarem deficiências, para morrer por afogamento, em algumas tribos primitivas.
Qual, porém, a diferença entre a atitude da civilização grega e o primarismo selvagem desses clãs e a moderna conduta em relação ao anencéfalo?
O processo de evolução, no entanto, é inevitável, e os criminosos legais de hoje, recomeçarão, no futuro, em novas experiências reencarnacionistas, sofrendo a frieza do comportamento, aprendendo através do sofrimento a respeitar a vida…
                      * * * * * *
Compadece-te e ama o filhinho que se encontra no teu ventre, suplicando-te sem palavras a oportunidade de redimir-se.
Considera que se ele houvesse nascido bem formado e normal, apresentando depois algum problema de idiotia, de hebefrenia, de degenerescência, perdendo as funções intelectivas, motoras ou de outra natureza, como acontece amiúde, se também o matarias?
Se exercitares o aborto do anencéfalo hoje, amanhã pedirás também a eliminação legal do filhinho limitado, poupando-te o sofrimento como se alega no caso da anencefalia.
Aprende a viver dignamente agora, para que o teu seja um amanhã de bênçãos e de felicidade.
                            
Joanna de Ângelis
(Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, na reunião mediúnica da noite de 11 de abril de 2011, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia.)

------------------------ o O o  ------------------------

NOTA do Portal da FEB - FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA
DECISÃO DO STF SOBRE ABORTO DE ANENCÉFALO
O Supremo Tribunal Federal, em sessão concluída no dia 12 de abril de 2012, aprovou a liberação do aborto para casos de fetos anencefálicos. Uma comissão integrada por dirigentes da Federação Espírita Brasileira, Associação Médico Espírita do Brasil e Associação dos Juristas Espíritas do Brasil, visitou o gabinete de todos os ministros do STF nos dias 9 e 10 de abril, levando um Memorial contendo argumentações jurídicas, médicas e espíritas em defesa da vida, e acompanhou a citada Sessão Plenária. Independentemente da decisão do STF, informamos que prossegue o trabalho educativo, no sentido de se valorizar a vida em todas suas etapas, e de esclarecimento a respeito das leis que emanam do Criador e regem a nossa vida, procurando contribuir com o aperfeiçoamento moral e espiritual da população.
Brasília, 13 de abril de 2012.
Federação Espírita Brasileira, 
Associação Médico Espírita do Brasil e 
Associação Jurídico Espírita do Brasil.
Mais informações no Portal da FEB: www.febnet.org.br



domingo, 1 de abril de 2012

REFLEXÕES ESPÍRITAS: Reconhece-se o cristão pelas suas obras.



"O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO" de Allan Kardec - Capitulo 18 - Muitos os chamados e poucos os escolhidos. Item 16 – Reconhece-se o cristão pelas suas obras.

Nossa reflexão de hoje tem como tema uma comunicação mediúnica psicografada em Bordeaux no ano de 1863 de autoria do Espírito Simeão.

Nessa página, Simeão de forma poética discorre sobre a história do Cristianismo, desenvolvendo a imagem de uma árvore – a árvore da vida – que com seus galhos está destinada a abrigar os viajores cansados do caminho, oferecer sobra e frutos nutritivos.

Afirma que “Os frutos da árvore da vida são frutos de vida, de esperança e fé. O Cristianismo, como o vem fazendo desde muitos séculos, prega sempre essas divinas virtudes, procurando distribuir os seus frutos. Mas quão poucos os colhem!”.

Não há como discutir! Somos hoje milhões de “cristãos" no mundo todo e nosso planeta ainda chafurda na lama do egoísmo, entorpecido pelos vapores tóxicos da vaidade com o patrocínio de nosso orgulho milenar.

Conhecer a mensagem do Cristo de Deus deve acima de tudo nos tornar pessoas melhores. Se isso não acontecer, estamos entre as fileiras daqueles que passam sob a árvore da vida e não percebem o valor de seus frutos, não usufruem da sombra amiga e partem distraídos sob o sol calcinante da ilusão.

“Pergunta-nos Simeão em sua página: Será bastante dizer:” Sou cristão”, para seguir o Cristo? Ele mesmo nos dá a resposta, clara e verdadeira que não pode ser escamoteada pelo nosso desejo de fugir da verdade: - Procurai os verdadeiros cristãos e os reconhecereis pelas suas obras.

Não há como nos iludirmos nem enganarmos a nós mesmos: Se no contato com a VERDADE ESPIRITUAL que hoje experimentamos no contato com o ESPIRITISMO que em realidade é o Cristianismo redivivo em suas expressões de simplicidade clareza; não melhorarmos nossa CONDIÇÃO MORAL perante nossos semelhantes, somos árvores estéreis destinadas ao fogo.

Simeão alerta de que o egoísmo humano e a busca do poder fizeram ao longo da história com que a mensagem do Cristo se deturpasse. Hoje ele domina como CRENÇA RELIGIOSA grande parte do mundo, mas é incapaz de formar homens melhores, porque nós mesmos envenenamos suas raízes e ressecamos seus ramos e galhos.

É um brado de alerta de que nossa função de ESPÍRITAS CRISTÃOS é reviver a mensagem de Jesus, fortalecendo a diminuta parcela da “árvore da vida” que a nós foi confiada para o cuidado de pomicultores da esperança.

Vocês todos, e eu também, não estamos neste momento chave do planeta Terra reencarnados aqui por acaso. Fomos escolhidos pra vivermos neste momento evolutivo da Terra a fim de ao mesmo tempo em que nos libertamos das nossas imperfeições morais, contribuirmos para que a Terra se transforme num celeiro de benção para a humanidade do futuro.

Nunca tivemos tanto conforto, e nunca fomos tão vazios de esperança e fé. Nunca tivemos tanta facilidade tecnológica e nunca sofremos tanto sofrimentos psicológicos atordoantes, frutos de nossa superficialidade de seres que apresentam mil necessidades artificiais sem notar a real e verdadeira carência de auto amor que nos envolve.

O planeta Terra convulsiona sob turbilhões de ondas magnéticas. Eventos cósmicos se anunciam preocupando com catástrofes, cataclismos e mortes. A vida ameaça mudar totalmente da forma que a conhecemos e nós continuamos distantes das verdadeiras necessidades da alma, na luta por evidencia, sexo, poder e dinheiro.

Tempestades solares, aquecimento global, planetas em rota de influencia magnética, inversão dos polos magnéticos da Terra e um sem número de avisos cósmicos são endereçados ao homem de ciência do século XXI mas nós persistimos em permanecer na infância espiritual, matando a vida na Terra por quinquilharias transitórias que passam de mão em mão e desaparecem com a mesma facilidade com que surgiram.

Ensinam os Espíritos Superiores  desde A Gênese (Allan Kardec) que a “nova geração” de homens e mulheres que povoarão a Terra redimida do futuro serão pessoas voltadas ao bem, sem os traços do egoísmo, da vaidade e do orgulho.  

Para que na Terra sejam felizes os homens, preciso é que somente a povoem Espíritos bons, encarnados e desencarnados, que somente ao bem se dediquem.” – A afirmação é tão lógica e evidente que pode passar despercebida à nossa observação, mas atentemos ao fato de que SOMOS NÓS OS HOMENS que podem habitar a Terra do futuro – se formos bons ou que serão retirados para outros lugares, se não nos MODIFICARMOS INTERIORMENTE em nossas mazelas morais.

Continua Allan Kardec elucidando a partir da orientação dos espíritos superiores: “Havendo chegado o tempo, grande emigração se verifica dos que a habitam: a dos que praticam o mal pelo mal, ainda não tocados pelo sentimento do bem, os quais, já não sendo dignos do planeta transformado, serão excluídos, porque, senão, lhe ocasionariam de novo perturbação e confusão e constituiriam obstáculo ao progresso”.


Perfeita similitude do Codificador do Espiritismo com a exortação do Espírito Simeão em nosso trecho de reflexão: “Meus irmãos, afastai-vos, pois, dos que vos chamam para apontar os tropeços do caminho, e segui os que vos conduzem à sombra da árvore da vida”. – Não há momento para indecisão ou meio termo. Ou nos decidimos pelo AMOR AO BEM E À PAZ ou nos definimos através de nossas ações pelo EGOÍSMO, ORGULHO E VAIDADE que são as forças que estão impedindo a humanidade terrestre de alçar a categoria de MUNDO DE REGENERAÇÃO que nos está assinalada pelos orientadores evolutivos de nosso orbe.

O que estamos esperando para mudar? Um Tsunami, um Terremoto uma peste dizimadora de vida ou o que? Acumulamos livros em nossas estantes que se vivenciadas meia dúzia de suas páginas podem nos transformar em heróis da bondade... Que efeito essas palavras tem feito sobre o nosso COMPORTAMENTO, sobre a nossa ÉTICA PESSOAL sobre o nosso relacionamento com NOSSOS COMPANHEIROS DE JORNADA a quem Jesus nos designou por “nosso próximo”?

Não podemos mais alegar ignorância. Sabemos o que é necessário para mudar. Acomodados porém na almofada ilusória da alienação espiritual, fingimos que não sabemos que ESTAMOS EPERDENDO TEMPO EVOLUTIVO enquanto reviramos gavetas de mágoas, semeamos discórdia, fazemos fofoca e adulteramos os valores da VIDA com nossa sede de sensualismo e prazer transitório e enganador.

Simeão, o lúcido benfeitor nos lembra as palavras do Cristo: “O divino Salvador, o justo por excelência, disse, e suas palavras não passarão: “Os que me dizem Senhor, Senhor, nem todos entrarão no Reino dos Céus, mas somente aqueles que fazem a vontade de meu Pai, que está nos Céus”.

Se você e eu ignorarmos esse aviso somos nós os insensatos que clamam SENHOR, SENHOR em vão! O Reino dos Céus que é a morada de Regeneração que hoje se elabora na Terra não será habitado por EGOISTAS, ORGULHOSOS E VAIDOSOS... PRESTEMOS ATENÇÃO! Se esses germens do ódio ainda existem em nós extirpemo-los de uma vez.

Porque a separação do joio e do trigo que assinalou Jesus na memorável parábola já começou. E será doloroso nos separarmos daqueles que amamos porque eles progrediram mais e ficarão e nós os retardatários, estacionados na acomodação seremos convidado a NÃO ATRAPALHAR MAIS QUEM DESEJA CRESCER E SER FELIZ!


Ensina Allan Kardec sobre nossos tempos atuais: “Tudo, pois, se processará exteriormente, como sói acontecer, com a única, mas capital diferença de que uma parte dos Espíritos que encarnavam na Terra aí não mais tornarão a encarnar. Em cada criança que nascer, em vez de um Espírito atrasado e inclinado ao mal, que antes nela encarnaria, virá um Espírito mais adiantado e propenso ao bem”.

Não notamos essa VERDADE em nossas próprias crianças? Não trazem elas um senso de ÉTICA superior ao que os próprios pais apresentam? Não temos em nossa família prodígios de bondade, amor e compaixão encarnados em corpos pequeninos ainda nas expressões inocentes da infância?

Ao lado de irmãos ainda brutos e instintivos vemos crianças com caracteres de Espíritos Superiores. Nossa observação não corrobora esta informação de Kardec? – “A época atual é de transição; confundem-se os elementos das duas gerações. Colocados no ponto intermédio, assistimos à partida de uma e à chegada da outra, já se assinalando cada uma, no mundo, pelos caracteres que lhes são peculiares”.

Vejamos se não conhecemos estes comportamentos na “nova geração” de crianças e adolescentes que conosco habitam o planeta: “Têm ideias e pontos de vista opostos as duas gerações que se sucedem. Pela natureza das disposições morais, porém, sobretudo das disposições intuitivas e inatas, torna-se fácil distinguir a qual das duas pertence cada indivíduo”.

Meus amigos, não é possível mais para adiar a nossa transformação. Aqueles que vão ajudar a Terra a se melhorar já estão reencarnando entre nós há tempos. Eles nos oferecem exemplo de desprendimento, amor, solicitude fraternal e bondade. Respeito á vida e doçura... E nós vamos aprender com eles e ficar por aqui ou estamos nos candidatando a habitar um PLANETA RETARDATÁRIO ainda mergulhado no egoísmo feroz e no orgulho entranhado?

O convite da reflexão de hoje é que nos avaliemos a fim de POTENCIALIZR nossa mudança e ficarmos juntos com nossos amores espirituais que permanecerão por aqui, sem deixar a Terra hospitaleira e boa que nos agasalha com seu amor.
Avaliemos na qualidade de CRISTÃOS, como andam as nossas OBRAS:

1.  Já exemplifico o perdão dentro de casa tanto quanto desejo ser perdoado e respeitado em minhas limitações e deslizes pelos que respiram comigo a atmosfera abençoada do LAR?
2.     Tenho demonstrado a indulgência para com os erros alheios, calando a crítica e a acusação, compreendendo que posso resvalar no mesmo tropeço que meu irmão se encontra?

3.  Sei praticar a CARIDADE DESINTERESSADA além da oferta de moedas, pão e agasalho... Na palavra que auxilia, no exemplo que dignifica, na conduta que educa, no silêncio que perdoa, no gesto que incentiva o bem e, principalmente, na humildade de ser o que sou, buscando melhorar a cada momento?

 4.   Falo a VERDADE com brandura medindo a conveniência do que digo, envolvendo as palavras com o clima da misericórdia e gentileza, diferenciando SINCERIDADE de CRUELDADE ou ainda me demoro no pedestal orgulhoso de defensor da REALIDADE DOA A QUEM DOER esquecido de que a VERDADE cruel de mim mesmo também machuca meu coração quando revelada sem o anestésico da indulgência e o curativo da caridade?

5.     Faço diariamente um exame de consciência antes de dormir a fim de examinas meus pontos falhos, planejar reparações de erros e ofensas e buscar estratégias de comportamento que me ajudem a melhorar ou deito-me tranqüilo no travesseiro da inconseqüência esquecido de que sou ESPIRITO ETERNO nascido para viver e crescer, que dará conta aos maiorais da Vida Espiritual de cada ato em desacordo com as divinas e misericordiosas LEIS DE DEUS?


6.   Como me saio na equação VERBO de espírita – versus – AÇÃO no bem de todos? Sou daqueles que ainda usam a envilecida técnica do FAZ O QUE EU MANDO MAS NÃO FAÇA O QUE EU FAÇO em flagrante incoerência com a doutrina transformadora que digo professar?

7.     Faço dos espíritos bondosos meus LACAIOS e MORDOMOS abusando da bondade ou da ignorância desses agentes espirituais para buscar facilidades na vida material e afetiva ou já entendo que os luminares da espiritualidade atuam em meu favor com ensinamentos, inspirações e energias de apoio tão somente nas ocasiões em que com MEU ESFORÇO PRÓPRIO não venço as dificuldades comuns a vida de todos, sem privilégios ou concessões que ainda não mereço?


8.   Qual a qualidade de minhas preces e orações? Já sei pedir força e coragem para enfrentar a dificuldade ou ainda uso o recurso da oração para NEGOCIAR com DEUS facilidades que não mereço? Já sei usar a PRECE DE GRATIDÃO a Deus, a Jesus ou aos bons espíritos agradecendo até mesmo meus problemas desafios que se apresentam para desenvolvimento das minhas qualidades espirituais ou em minhas orações me demoro na queixa e na reclamação de criança mimada, equivocada quanto ao próprio dever de viver, aprender, lutar e servir?

9. Contento-me com o que sou, acomodando-me na poltrona da negligência, acreditando equivocadamente que “pau que nasce torto morre torto” ou experimento diariamente o desconforto de minhas imperfeições, lutando desassombradamente contra elas na ânsia de progredir com a ajuda de DEUS?


  10. Sei usar o SERVIÇO AO PRÓXIMO como ferramenta de educação de minha alma, buscando me superar em servir sem reclamar, sem medir esforço e sem esperar recompensa ou ainda estou na velha pratica do PRIMEIRO EU, SEGUNDO EU, TERCEIRO EU... Esquecido de que Jesus me ensinou que “o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar sua vida para a redenção de muitos”?

domingo, 25 de março de 2012

REFLEXÕES ESPÍRITAS: A quem muito foi dado, muito será pedido.


 Tema: Capítulo18 de “O Evangelho Segundo o Espiritismo” de Allan Kardec – Muitos os chamados e poucos os escolhidos, item 10  a 12: A quem muito foi dado, muito será pedido.
Nossa reflexão do Evangelho tem como ponto central para nossa instrução a chamada “Parábola do mordomo” também chamada “Parábola do servo invigilante".

Nela Jesus traz um ensinamento muito importante. Ele nos conta como funciona a JUSTIÇA DE DEUS em harmonia perfeita com a sua MISERICÓRDIA.

Nessa parábola conta que um servo que foi incumbido de administrar os bens de seu Senhor e alimentar os demais criados. Ao voltar da viagem, o patrão surpreende o servo maltratando os seus companheiros e negligenciando seus deveres. Recebeu severo castigo em açoites, pois o servo CONHECEU A VONTADE DE SEU SENHOR e a desobedeceu. Ensina ainda que outro servo na mesma condição que não conhecesse a vontade de seu Senhor e fizesse coisas DIGNAS DE CASTIGO receberia poucos açoites... POIS A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ PEDIDO.

Essa parábola que figura em Mateus 24:45 a 51 e em Lucas 9:39-41 – faz parte dos ensinamentos sobre a MISERICORDIA DIVINA E NECESSIDADE DE VIGILÃNCIA.

Na parábola, os dois mordomos (o que SABIA a vontade de seu patrão e o que DESCONHECIA essa vontade) representam a humanidade em diferentes estágios evolutivos.

Uns já estão CIENTES DAS LEIS DE DEUS (a vontade do Patrão) e por isso quando negligenciam o seu cumprimento “merecem muitos açoites”... (Açoites = cumprimento da Lei de Causa e Efeito).

Outros ainda estagiam nas faixas primárias do conhecimento da LEI DE DEUS, e por isso mesmo quando erram “merecem menos açoites”

Nessa história está expressa a EQUAÇÃO lógica e racional da JUSTIÇA DIVINA versus a MISERICÓRDIA DIVINA.

Nós que temos entendimento ainda bastante imperfeito da Leis de Deus não conseguimos equacionar a questão da misericórdia com a justiça que devemos observar. Cremos que os fatores são inconciliáveis, pois se EU FOR MISERICORDIOSO como poderei SER JUSTO ao mesmo tempo?

Jesus como Espírito Puro e conhecedor profundo dos atributos de nosso Pai Celestial, usa a Parábola do Mordomo Invigilante para nos mostrar como isso se resolve na perfeita harmonia das Leis que regem nossas vidas.

Ele ensina que o rigor das CONSEQUENCIAS DE NOSSOS ATOS é proporcional ao NÍVEL DE CONSCIÊNCIA que temos do erro praticado.

Os homens e mulheres que infringem a LEI DE DEUS sofrem consequências de seus atos conforme o nível de despertamento espiritual que apresentam, o que podemos chamar de ESTÁGIO EVOLUTIVO.

A QUEM MUITO FOI DADO, MUITO SERÁ PEDIDO significa exatamente que dos espíritos mais amadurecidos, mais informados e conscientes das verdades espirituais é esperado maior vigilância sobre aquilo que SABEM que já não é adequado perante a vida.

O processo de CONSCIENTIZAÇÃO da verdades espirituais é irreversível! Àquele que JÁ SABE A VONTADE DE SEU SENHOR não cabe o beneplácito do atenuante da ignorância.

Importante para todos nós que somos os modernos “Aprendizes do Evangelho de Jesus” percebermos a nossa posição em relação ao conhecimento espiritual libertador de nossas almas que ao mesmo tempo que nos liberta nos categoriza a responder à LEI sábia e justa da VIDA com maior grau de rigor e responsabilidade.

E nós já sabemos muita coisa que ao longo de nossa jornada vai nos clareando o entendimento e proporcionando adiantamento espiritual relativo perante aqueles que desconhecem a existência de Deus e – por isso mesmo – ainda são situados no atenuante do “mordomo ignorante” da parábola, que cometeu faltas dignas de severos castigos mas recebeu poucos açoites...

Já aprendemos que não somos apenas um corpo material. Mas sim uma alma imortal, AINDA ASSIM nos comportamos como se fossemos somente um corpo e usufruímos das coisas apenas na busca do prazer e fuga da dor, despreocupados das questões de nosso ESPÍRITO...

Já aprendemos que a LEI DE AÇÃO E REAÇÃO nos alcança a todo momento e que nossos atos ANTIÉTICOS sofrerão consequências drásticas pelos danos que causam aos demais... AINDA ASSIM vivemos competitivamente, na base do salve-se quem puder, como se a regra fosse LEVAR VANGAEM EM TUDO!

Já aprendemos que a REENCARNAÇÃO é fator de Misericórdia Divina a fim de que conquistemos, vida após vida, a perfeição relativa que nos cabe alcançar como meta espiritual. AINDA ASSIM pautamos nossa existência como se fosse a única, escravizados à ilusão de que estamos na terra para gozar, fruir, aproveitar, e não para aprender e amar, servindo uns aos outros...

Já aprendemos que ATRAIMOS companhias espirituais em sintonia com nossos hábitos, gostos e predileções, sintonizando com os anjos do amor quando perseveramos no bem ou com os gênios da escuridão, quando estacionamos no mal. AINDA ASSIM nossas atitudes e pensamentos revelam instinto exacerbado, desejos inferiores e interesses mesquinhos que nos tornam companhia favorita dos adversários do bem aos quais chamamos NOSSOS OBSESSORES...

Já temos noção de que NOSSOS FAMILIARES PROBLEMAS, nossos COMPANHEIROS DIFÍCEIS, nossos ADVERSÁRIOS ASSUMIDOS são em verdade cobradores de um passado de equívocos espirituais que hoje nos batem à porta para que com eles nos RECONCILIEMOS sem recair no jogo escravizante da agressão que a nada conduz; AINDA ASSIM fazemos o jogo da vingança, da revanche, da hostilização, penetrando-lhes a faixa de entendimento e perpetuando para o futuro novas expiações nas mesmas companhias, em situação talvez de subalternidade e domínio.

Já percebemos que a LEI DE DEUS resume-se no impositivo de AMAR AO PRÓXIMO COMO A NÓS MESMOS, conquistando méritos para que o AMOR nos chegue como socorro às nossas dores e sofrimentos tanto quanto o estendemos aos companheiros e companheiras de jornada. AINDA ASSIM nos deixamos conduzir pelas diretrizes do ORGULHO e do EGOÍSMO, desatentos de que apenas o amor nos libertará desses dois sequazes do mal que tanta desigualdade e intolerância espalha pelo mundo.

Vejamos que NÃO PODEMOS ALEGAR IGNORÂNCIA. A luz imperecível dos ensinamentos do Cristo Jesus já nos alcança e orienta os passos há dois mil anos...

A presença do ESPIRITISMO como Consolador Prometido e iluminador de nossas almas, retira de nossos olhos as escamas do fanatismo e da ignorância, revelando com clareza inconfundível a VERDADE ESPIRITUAL da vida imortal em todos os seus aspectos, com todo o seu fulgor mas também com toda as suas responsabilidades.

Poderia até nos ocorrer neste instante o pensamento: PARA QUE EU FUI ME ESCLARECER ENTÃO? MELHOR SERIA VIVER NA IGNORÂNCIA COM O ATENUANTE DO DESCONHECIMENTO DA LEI...

Reflitamos: Só porque nossos olhos de acostumaram à escuridão vamos recusar a LUZ DO SOL? Só porque nos acostumamos com a ÁGUA IMPURA E SALOBRA vamos recusar a cristalina e pura? Só porque já nos resignamos com a dor da queimadura, permaneceremos expostos à chamas do engano que ferem nosso Espírito?

Nossa aproximação do Evangelho libertador na forma da VERDADE ESPIRITUAL que consola e instrui é fator de PROGRESSO para o nosso Espírito. Não lamentemos a EVOLUÇÃO, antes a aprimoremos, buscando voluntariamente VIGIAR NOSSAS AÇÕES a fim de que consigamos cumprir os impositivos da Lei que já sabemos existirem e serem bons para nós.

Regozijemo-nos com o SABER ESPIRITUAL QUE JÁ NOS ILUMINA A RAZÃO: é possível com um pouco de coragem e valentia enfrentar desde agora as nossas IMPERFEIÇÕES MORAIS que nos tem feito sofrer consequências amargas no resgate das infrações que cometemos ao conjunto de DIRETRIZES ÉTCO-MORAIS que compõem a LEI DE DEUS.

Por isso mesmo Jesus deixou-nos o sublime convite no VINDE A MIM TODOS VÓS QUE ESTAIS CANSADOS E SOBRECARREGADOS QUE EU VOS ALIVIAREI... Essa promessa de Jesus se baseia no fato de que QUANTO MAIS SABEMOS DA VERDADE MAIS ESTAMOS LIVRES da ignorância que aprisiona.

Paulo de Tarso disse certa vez que “Quando eu era menino, falava como menino , sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino”. (ICor, 13:11) – desejando nos lembrar que as atitudes imaturas que nos marcaram o passado fazem parte da nossa INFÃNCIA ESPIRITUAL mas que agora somos ADULTOS ESPIRITUAIS e devemos por isso mesmo abandonar as coisas de menino, assumindo nossa responsabilidade de FILHOS DE DEUS e fazendo a todos o BEM que pudermos para que o BEM aja a favor do nosso BEM.

domingo, 18 de março de 2012

REFLEXÕES ESPÍRITAS: A porta Estreira


Capítulo 18 de "O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO", de Allan Kardec – Muitos os chamados e poucos os escolhidos – itens 3 a 5 - A PORTA ESTREITA.

Ensinou Jesus: Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que leva à perdição, e muitos são os que entram por ela. Que estreita é a porta, e que apertado o caminho que leva para a vida, e quão poucos são os que acertam com ela! (Mateus, 7:13-14).

Estudando o ensinamento de Jesus, Allan Kardec afirma: “A porta da perdição é larga, porque as más paixões são numerosas e o caminho do mal é o mais frequentado. A da salvação é estreita porque o homem que deseja transpô-la deve fazer grandes esforços para vencer as suas más tendências, e poucos se resignam a isso”.

Para entender bem essas afirmativas, é preciso deixar bem claro para nós o que vem a ser SALVAÇÃO segundo o contexto evangélico.

Os Dicionários nos ensinam que SALVAÇÃO é: ação ou efeito de salvar(-se), de libertar(-se), pessoa ou coisa que salva (de perigo, situação difícil etc.)... 

A definição que me pareceu mais apropriada foi a do Dicionário Houaiss:  passagem de uma situação difícil para outra confortável; redenção, resgate, remissão; triunfo, vitória, independência.

Para o Espiritismo SALVAÇÃO ganha um significado mais amplo do que a “Felicidade eterna após a morte”, pois para a Doutrina Espírita não existe a condição de PERDIÇÃO, pois que DEUS de Misericórdia e Justiça infinitas sempre concede à criatura que erra, condição de “reencontrar-se” no caminho do bem.

Salvar-se seria literalmente, furtar-se de um perigo. Que perigos seriam esses de que Jesus se ocupa a fim de nos ajudar a sermos felizes?

 Os grandes perigos que existem e que são, genuinamente, ameaças para a nossa FELICIDADE não estão situados no mundo externo, que por vezes nos parece tão perigoso e hostil, e sim em NOSSO MUNDO ÍNTIMO.

Essas ameaças à nossa FELICIDADE PLENA são as nossas imperfeições morais, as nossas más tendências, frutos de viciações morais e comportamentos inadequados que fomos repetindo vidas após vidas, cristalizando nosso espírito na condição de “infrator da Lei de Deus”.

Romper com essas más tendências é exatamente a passagem pela “porta estreita” de que nos fala o Evangelho, pois, acostumados no erro, acomodados à zona de conforto do comportamento conhecido é sempre um desafio para alma a ATITUDE DE MUDAR.

Quem venceu um vício como drogas, álcool ou tabaco sabe bem a grande luta que se combate para vencer um inimigo que nós mesmos criamos dentro de nós com nossas escolhas.

Mudar é sempre angustiante. Cobiçamos a condição melhor de nos livrar do mau comportamento, mas o medo do desconhecido, a abstinência daquilo a que nos acostumamos, o preço da libertação de todas as compensações físicas e psicológicas a que nos habituamos com o erro... Tudo isso são fatores que agravam o desafio de MUDAR.

Se fraquejarmos, relaxamos com nossa autoeducação e caminhamos conforme de costume, para a porta larga das viciações, da acomodação e da repetição dos mesmos equívocos que – já o sabemos – nos farão chorar e sofrer depois.

Como já dissemos em outras oportunidades DEFINITIVAMENTE, CHEGA DE SOFRER! Esse negócio de “aqui se faz aqui se paga” já deu o que tinha que dar! Já estamos de posse de conhecimentos espirituais LIBERTADORES e não se justifica mais aprender com o SOFRIMENTO e a DOR.

É hora de progredirmos com a INTELIGÊNCIA, a razão, o bom senso. Porque continuar com ATITUDES que sabemos que mais adiante vão me fazer sofrer? Isso se chama IGNORÃNCIA.

É o velho hábito da FEIJOADA ASSASSINA! Você já sabe o mal estar que vai sentir na hora da digestão... Os desarranjos gástricos, a preguiça e a sonolência das toxinas do alimento, aquela sensação de O QUE FOI QUE EU FIZ? Mas ainda assim, passamos reto no balcão de salada e nos rendemos ao PRAZER IMEDIATO da suculenta FEIJOADA.

Assim também é com nossos VÍCIOS MORAIS... Já os conhecemos, a eles e às suas malditas consequências... Mesmo assim sucumbimos à TENTAÇÃO do prazer imediato, da compensação psicológica. E repetimos a mesma ATITUDE ASSASSINA da nossa Paz Interior. Isso tem o nome de AUTOCORRUPÇÃO!

Você já sabe o que é bom e faz bem. Você já sabe o que é ruim e faz mal. Mas AUTOSABOTA a sua felicidade caindo de novo na ilusão de errar para ganhar. Auto sabotagem é o mesmo que jogar a polpa doce e nutritiva da fruta fora e comer a casca e os caroços.

Romper com a cadeia do erro cobra da criatura um grande esforço. Mas o Espiritismo com sua finalidade nobre de facilitar o PROGRESSO DA HUMANIDADE nos informa quis os meios que podemos usar para essa vitória sobre as nossas próprias iniquidades.

A primeira ferramenta que o ESPIRITISMO recomenda é a oração. Com a oração, que é a nossa ligação mental, sincera e fervorosa com nosso Pai Celestial, fazemos uma verdadeira faxina psíquica e nos ligamos ás forças espirituais do bem, dispostas a nos fortalecer a vontade e a intrepidez.

Orar, é um hábito simples. Não há para a oração local mais apropriado ou menos apropriado. Nem horário nem condição. A criatura pode elevar seu pensamento a DEUS em qualquer hora e lugar, sob qualquer circunstância e entregar-se aos amorosos cuidados da Providência Divina, sempre solicita em nos cumular com as bênçãos das forças espirituais.

A prece ou oração tem como requisito “patir de um coração sincero”. Devemos apresentar nossos medos e anseios, desejos e esperanças a DEUS com sinceridade de coração. A DEUS NINGUÉM ENGANA. Apresentemo-nos mentalmente ao PAI sem escamotear nossas mazelas que ELE com toda certeza deseja nos ajudar a vencer.

Outra condição é que a oração seja INTELIGÍVEL ou seja, que seja compreensível primeiramente para nós, como um COMUNICAÇÃO, a oração deve ser uma mensagem simples e objetiva, dispensemos as orações decoradas e textos prontos. Deixemos o coração e a mente falar de nossos próprios sentimentos a Deus.

A segunda ferramenta que o ESPIRITISMO apresenta para nossa evolução é o AUTOCONHECIMENTO. No Espiritismo chamamos esse processo de REFORMA ÍNTIMA e se constitui na autoanálise diária, sem medo de nos enfrentarmos e nos conhecermos. Avaliamos nossas ações e atitudes e buscamos enumerar nossos equívocos.
Conhecendo suas faltas, fica mais fácil ao Espírito educar-se. Partir para a reparação dos erros e evitar cometer os mesmos equívocos em oportunidades semelhantes.

Encontramos na questão número 919 de O LIVRO DOS ESPÍRITOS de Allan Kardec uma esclarecedora resposta dos Espíritos: Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal? –  “Um sábio da antiguidade vos disse: Conhece-te a ti mesmo.”

Continua ensinando nessa questão, o Espírito de Santo Agostinho de Hipona: “Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar.

E complementa: “Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por outrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar”.

Os benefícios do autoconhecimento são inúmeros, mas o principal dele é a LIBERTAÇÃO do peso de nossas imperfeições e a POSSE DE SI MESMO tornando-nos criaturas conscientes de nossas falhas e de nossas potencialidades.

AUTOCONHECENDO-SE a criatura pode conceber um PLANO DE AÇÃO EXISTENCIAL e partir para a ampliação das virtudes que já possui e cujo exercício a fortalece e educar-se segundo suas expectativas de felicidade, suas capacidades e tendências mais nobres.

A mais nobre e eficaz ferramenta que o ESPIRITISMO oferece-nos como potencializadora de nossa FELICIDADE é no entanto aquela legenda que constitui a sua diretriz máxima: FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO.

Entendendo a CARIDADE como o AMOR EM AÇÃO, o Espiritismo compreende que a sua prática em todas as dimensões de nossa vida, constitui exatamente o cumprimento da proposta educativa do Cristo Jesus que nos recomendou AMAR incondicionalmente todos ao nosso redor.

Com a prática do AMOR nossas virtudes se dinamizam, robustecem e NATURALMENTE vão vencendo uma a uma as nossas imperfeições morais, estabelecendo um novo patamar de comportamento e ação: o daqueles que evoluem porque amam, amam porque são inteligentes, são inteligentes porque querem ser FELIZES!

Alimentando a esperança e o otimismo, o buscador da VERDADE encontra alegria de viver. Vence suas imperfeições. Supera as vicissitudes comuns da vida cotidiana e ganha outros valores que não a satisfação imediata dos sentidos e das ilusões, optando pelos bens IMPERECÍVEIS DA ALMA que são a finalidade última da nossa existência.

Passar pela PORTA ESTREITA não é fácil. Mas quem de nós aqui acha que ser feliz é fácil? Que sabor teria a felicidade de fosse coisa corriqueira que não cobrasse esforços e luta para ser obtida?

A alma humana adora desafios! Ama aventuras! Aventuremo-nos! Aceitemos o convite para o AUTOCONHECIMENTO e vamos caminhar decididos no rumo da FELICIDADE. Nos encontraremos na reta de chegada, uma vez que TODOS FOMOS CRIADOS POR DEUS PARA SERMOS FELIZES.... Adiar o começo dessa jornada pra que?